Follow by Email

quinta-feira, 27 de junho de 2013

Subconsciente

Escrevo pelas memórias, pelo conforto, escrevo para que mais tarde me possa lembrar entre pontos e vírgulas de tudo o que fomos falando.
Escrevo para guardar cada segundo de cada sentimento escondido.

Ontem resolvi contar-te algo que fazias com alguma regularidade, algo que eu sabia que poderias nem te lembrar, pois o fazias enquanto dormias... Um aconchego de braços, um toque tão doce que ainda hoje o consigo sentir.
A brincar respondeste-me que o teu subconsciente gostava mais de mim do que tu.
E o que é o amar verdadeiro se não for inconsciente, se não é aquele que está guardado por um ou outro motivo.

Só se ama conscientemente quando outrora se amou inconscientemente...


"O olfacto é uma vista estranha. Evoca paisagens sentimentais por um desenhar súbito do subconsciente."
Fernando Pessoa




terça-feira, 11 de junho de 2013

Encontro

Hoje apeteceu-me fugir do amor, virar as costas e deixar de lhe falar, dizer-lhe tão alto quanto pudesse que teria de ir embora, viajar para o fim do tempo.
Quis deixar de o ver e sentir, escondê-lo no fundo de um armário, quis dizer-lhe mesmo que a mentir que não o queria...

Mas como poderei eu dizer-lhe tudo isto quando é um amor maior que a vida...

Na verdade, queria vê-lo em cada acordar e em cada deitar, sentir o seu calor quando me abraça e suavemente me adormece nos seus braços, sentir todos os dias o sabor do beijo, o sorriso dos seus olhos, o gosto moreno da sua pele.

Encontrei-o, sim eu encontrei o amor da minha vida, aquele que ao inicio achava que nunca poderia ser, sim é ele, aquele com quem já lutei, de quem já fugi, aquele que muitas vezes só com um olhar eu abracei.

Espero-te pacientemente... espero por nós...









domingo, 9 de junho de 2013

À distância de um abraço

E o que acontece quando a minha mão sonha com a tua? Quando elas sentem sede uma da outra?

Espero pacientemente por ti, para que voltes ao meu sorriso, para que voltes a sentir o mesmo calor no abraço.
Andamos vezes sem conta lado a lado e não nos vimos, quis mostrar-te que não poderia viver sem ser tua, mas o medo levou-me embora.
Hoje senti-te escondido de mim, queria procurar-te... mas não quero invadir-te...

Já vivi, sobrevivi e voltei a viver, e sempre sem te ver, ou a achar que não te via...

Hoje mais do que ontem sou tua, aguardo-te, espero-te. Vivo a tua pele morena, o teu sorriso aberto, o teu olhar doce.



quarta-feira, 5 de junho de 2013

Conversa de duas almas!

E do que a alma é capaz... de comandar o nosso corpo...
Dois opostos, um só fim... estarem juntos, diferenças... muitas.
Recordo muitas vezes a primeira vez que o vi, a primeira vez que os meus olhos cruzaram com os dele, senti que sorria com o olhar, mas a minha alma a mentir a si própria disse... não. Vivi uns dias com aquele pensamento... somos diferentes.
Interessante como o nosso corpo consegue mentir, quando na realidade sente o oposto...

Aos poucos fui-me sentido conquistada, pelo sorriso, pela pele, pelo jeito miúdo de ser, pelo o olhar grandioso... sim foi o olhar grandioso... digo vezes sem conta, o olhar é o espelho da alma... e o dele mostra uma alma tão grande... tão verdadeira.
Na verdade, não ouvimos a mesma música, nem sempre rimos das mesmas piadas, mas o certo, e o que fui percebendo é que o meu corpo e o dele estão em constante conversa, mesmo quando me diz que não consegue ter uma conversa séria.
Às vezes eu sou o positivo e ele o negativo, outras eu o negativo e ele o positivo, e quando isso acontece ele é um positivo tão doce... tão eterno.

Acho que com o tempo a minha alma viu um espelho na alma dele, e apesar de naquele momento, na porta de casa dele, quando o meu olhar cruzou o dele e a minha alma mentiu ao meu corpo... apesar disso, as nossas diferenças foram feitas para encaixar umas nas outras.

O amor é irresistível e inexplicável...




segunda-feira, 3 de junho de 2013

...

Todos os dias peço em silêncio que me perdoes... todos os dias peço que voltes a lembrar-me com um sorriso.
Quis amar-te...amei-te e amo, quis viver-te e acabei a perder-te...
Todos os dias sonho com a tua pele, com o teu abraço apertado, com o teu jeito frio de ser quente.

Errei ao deixar de acreditar, errei ao ver-te contra mim e não comigo, errei quando achei que conseguia não te ter por perto.
Errei ao ser impaciente, errei ao deixar que a sede de amor me secasse.

Perdoa-me por ser fraca, por não saber esperar...

Perdoa-me...