Follow by Email

quarta-feira, 19 de outubro de 2011

O pilar...

E quando não existe alicerce, quando o pilar falha, queremos e precisamos de uma mão...viver sozinha, só com a nossa força e o sorriso de duas crianças.
A força, onde está...também falha, também se perde por entre os dedos, e torna-se em algo esbatido...sem cor!
E restam os sonhos de menina, de amar, de partilhar...de ter um pilar...
E apesar de já ser crescida, tive de crescer...amadurecer...lutar! E ser quem sou, forte e frágil, menina mulher que um dia sonhou, não que não o continue a fazer, faço é mais que certo, mas às vezes perdida nos pensamentos...esvaecida....e o que fica...

O melhor ainda está para vir!!! Eu quero e acredito...o melhor ainda está para vir...só assim podemos viver e temos de viver...esquecer o que fica lá atrás!!!


sábado, 8 de outubro de 2011

Amizades perdidas no tempo!

Setembro de 1994

E ali estava eu, perdida, tudo soava a novo, rostos, atitudes, conversas...
A apresentação foi longa, pois havia muito para falar, o professor era carismático, diferente, com um jeito cómico, muito particular.
E ali estávamos, quase 30 alunos a olharmos uns para os outros...desconhecidos...
A minha atenção prendeu-se para um rosto no canto da sala, daqueles que olhamos, não conhecemos, mas reconhecemos, a sua fragilidade era notória e apesar da sua postura descontraída, eu sabia...via que era frágil. No final resolvi me aproximar, trocamos meia dúzia de palavras, combinamos nos encontrarmos no dia seguinte e assim aconteceu, afinal estudávamos na mesma escola, na mesma turma...
E a empatia surgiu e logo desenvolvemos uma amizade tão pura e verdadeira, tinha acabado de ganhar um irmão...
Os dias foram passando, e já não fazíamos nada um sem o outro, as nossas conversas eram transcritas em papel, imortalizadas (ainda as guardo comigo), acabamos por tornar isso em algo nosso, único.
As pessoas falavam que talvez pudéssemos ser namorados, más línguas como muitas há sem nada para fazer.
A amizade ia crescendo a olhos vistos, um já sabia o que o outro pensava apenas com o olhar, e dizíamos um para o outro...porque não nascemos irmãos...E era incrível como eu encontrava a minha tranquilidade naquela figura frágil...
Inesperadamente a vida acabou por nos afastar, o José Luís mudou, pensava eu, onde está o meu amigo...a verdade é que aconteceram tantas atrocidades na sua vida e eu apesar de estar sempre presente, não tive força suficiente para o abraçar e manter junto a mim.
Perdi o meu "irmão" no tempo, os anos foram passando e ainda recordo com saudade as risadas que demos juntos, as lágrimas que choramos.
Lembro-me que o encontrei por acaso numa tarde de Sábado e ai percebi que aquele rapaz de olhar frágil, doce, havia mudado, estava distante quase que parecia deambular...trocamos o número de telefone, tinha esperança de resgatar o meu AMIGO...mas voltei a perdê-lo.
A verdade é que não sei nada dele há anos, mas não há um dia que o meu coração não recorde com saudade todos os momentos que vivemos...

A ti José Luís...o melhor amigo de sempre...amizade perdida no tempo mas jamais esquecida...

A amizade verdadeira são pedaços de alma, que jamais terá fim...



A música que cantávamos juntos...





terça-feira, 4 de outubro de 2011

A Incerteza do destino (Parte 2...e final)

Afinal não é assim tão difícil...viver...ultrapassar...renovar, mesmo que por vezes achemos que não há saída, que não há propósito...ou solução!
A incerteza do que vai ser o destino é algo que nos cerca e acompanha...e cabe-nos a nós, os fazedores do destino ultrapassar o estigma.
Mas o que é a vida senão um virar de página, um mundo de oportunidades e valores que vamos encontrando diariamente...estradas...
E aí...o que fazer?...Mudamos a nossa forma de pensar, que muda a nossa forma de viver.
Há uns tempos dizia que não tinha palavras sequer para descrever o que estaria a sentir, na realidade continuo a não ter...senti, sinto e vou sentir...pelo tempo que tiver que sentir.
Aquilo que às vezes parece uma utopia e quimera, acaba por se revelar, o que nem sempre agrada ao nosso olhar e objectivo. Estes últimos tempos têm sido para mim de muita aprendizagem, e quando o digo pense-se que falo de uma aprendizagem como ser humano, vivo momentos incríveis, inexplicáveis, conheço pessoas fantásticas e inesquecíveis.
E aquilo que outrora eu achava incerteza, foi-se apagando de uma forma...revelando-se por outra, e assim se ultrapassando, não existem impossíveis, existem é possíveis que não queremos que o sejam...



"A diferença entre o possível e o impossível está na vontade humana."

LOUIS PASTEUR



Tão perto, não importa o quão distante,
Não poderia ser muito mais (distante) do coração.
Eternamente confiando em quem somos
E nada mais importa.

Nunca me abri deste jeito,
A vida é nossa, nós a vivemos do nosso modo
Todas estas palavras, eu não digo apenas (por dizer)
E nada mais importa.

Confiança eu procuro e encontro em você
Cada dia para nós é algo novo.
Mente aberta para uma concepção diferente,
E nada mais importa.

Nunca me importei com o que eles fazem,
Nunca me importei com o que eles sabem,
Mas eu sei.

Tão perto, não importa o quão distante
Não poderia ser muito mais (distante) do coração.
Eternamente confiando no que nós somos
E nada mais importa.

Nunca me importei com o que eles fazem,
Nunca me importei com o que eles sabem,
Mas eu sei.

Nunca me abri deste jeito,
A vida é nossa, nós a vivemos do nosso modo
Todas estas palavras, eu não digo apenas (por dizer)
E nada mais importa.

Confiança eu procuro e encontro em você
Cada dia para nós é algo novo.
Mente aberta para uma concepção diferente,
E nada mais importa.

Nunca me importei com o que eles dizem,
Nunca me importei com os jogos que eles jogam,
Nunca me importei com o que eles fazem,
Nunca me importei com o que eles sabem,
E eu sei, yeah.

Tão perto, não importa o quão distante
Não poderia ser muito mais (distante) do coração.
Eternamente confiando no que nós somos
E nada mais importa.